O blogue sobre divulgação, promoção e cultivo de várias espécies de plantas frutíferas pouco comuns em Portugal.

Sábado, 23 de Novembro de 2013

Durante o verão os pés de granadilha do quintal não cresceram muito. O desenvolvimento fraco nessa altura poderá ter a ver com o excesso de calor e talvez com o grau de humidade certo.

Nas regiões subtropicais de origem desta planta as condições (temperatura e humidade) são algo diferentes comparando com as do nosso país.

Depois que o tempo ter arrefecido um pouco as granadilhas retomaram o crescimento chegando mesmo a surgir um botão tardio de uma flor.

Aparentemente é o primeiro e único deste ano e se calhar nem vai chegar a abrir porque poderá queimar com a geada. Veremos o comportamento das granadilhas no próximo ano.

Ficam umas fotografias que dão uma ideia do aspecto destes botões, e no caso de abrir alguma flor voltaremos a dar noticia.

 

    

publicado por Marco Rebelo às 15:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | | | favorito

Quarta-feira, 22 de Maio de 2013

As 3 granadilhas nascidas há exactamente um ano têm crescido bastante bem agora na primavera. O tempo mais quente com a ajuda de um pouco de adubo azul produziram efeitos visiveis. Á primeira vista as granadilhas possuem folhas tenras e ramas frágeis mas para meu espanto resistiram sem problemas ao inverno e não sofreram minimamente as agruras desta estação.

 

 

No ano passado foram todas transplantadas para perto do pé de maracujá roxo. Ficam protegidas do vento por um muro virado para o sol todo o dia, por outro lado mais tarde podem partilhar a pequena ramada construida para o maracujá.

Estão com uma altura de cerca de 1 metro e foi necessário colocar estacas para suportar o crescimento. Visto serem plantas trepadeiras possuem gavinhas que se enrolam e que se agarram ás estacas e ao muro. Vamos esperar que deem frutos este ano. Entretanto é melhor estar atento aos caracóis. Tal como acontece com as folhas de maracujá, parece que também adoram folhas de granadilha... 

 

  
 
publicado por Marco Rebelo às 22:55
link do post | comentar | ver comentários (7) | | | favorito

Quinta-feira, 7 de Março de 2013

Caminhamos a passos largos para a primavera e por isso mesmo está na altura de fazer umas sementeiras cá em casa. Além das hortaliças habituais que vão ocupar a maior parte do quintal durante o ano, vamos também semear as nossas já conhecidas plantas "estranhas". Anonas, granadilhas, araçás, gojis, maracujás, tamarilhos, physalis e outras sementes que tais vão ser agora semeadas e o seu desenvolvimento alvo de experiência e atenção novamente este ano. Mãos ao trabalho!

 Bastam alguns vasos, terra e uma pá, além do principal: as sementes.

 

Enche-se os vasos quase até cima com terra. Espalham-se as sementes e em seguida coloca-se uma camada fina de terra por cima. No fim regar e já está! Cada vaso com a sua espécie diferente. Quando crescerem podem ser transplantadas.


Para fazer uma sementeira em vasos, o tipo de substrato pode ser importante. Há espécies de plantas que gostam mais de substratos mais ricos do que outras.

Além do substrato universal também se encontram á venda no comércio outros tipos de terra especiais: terra para orquídeas, terra para cactos, terra para bonsais, etc. Cada tipo de terra proporciona os nutrientes e as condições apropriadas ao desenvolvimento saudável das plantas.


No caso das granadilhas, araçás e tamarilhos pode ser usado um substrato rico em matéria orgânica. A terra de saco universal teve bons resultados na germinação e enraizamento destas espécies no ano passado, por isso este ano vai ser usada novamente. Usar terra de compostagem doméstica também é uma boa opção.

A salientar que as sementes de tamarilho devem ser bem lavadas quando se retiram do fruto. É que têm um tipo de "goma" que pode atrasar a germinação.

Quanto ao caso particular dos gojis, tanto na sementeira como nas estacas, foi usada no ano passado uma mistura de terra de saco universal com terra do quintal. Todas pegaram com facilidade. Mas este ano vamos fazer uma nova experiência: a de usar uma mistura de terra mais pobre em matéria orgânica. Vai ser uma mistura metade por metade de terra normal do quintal com areia branca tipo aquela que se pode encontrar nos pinhais.

Mais tarde iremos comparar se esta última será uma mistura melhor ou não.

 

 Daqui a mais os tomateiros e pimentos estão em condições de transplante para o quintal.

Boas sementeiras!{#emotions_dlg.vila_real}

publicado por Marco Rebelo às 15:17
link do post | comentar | ver comentários (2) | | | favorito

Quarta-feira, 29 de Agosto de 2012
O blogue das bagas está a fazer 1 ano e é como uma planta, vai sendo alimentada e lá vai crescendo, crescendo aos poucos, e vai dando frutos... que partilha com toda a gente.
 

Foi mais ou menos há um ano que ouvi falar sobre gojis. Aconteceu ler numa revista qualquer, uma reportagem á cerca das dietas especiais de algumas estrelas de cinema, cantores e outra gente famosa como a Madonna, Oprah Winfrey, etc. Incluiam gojis na sua alimentação, principalmente por terem propriedades antioxidantes e anti-envelhecimento.

Pouco tempo depois, vi por coincidência á venda num supermercado, esses tais gojis secos em pacotes. Achei curioso nunca ter antes ouvido falar. Parecia ser uma coisa nova que estava agora na moda. Ninguém que eu conhecesse tinha ouvido falar deste fruto. Achei piada e comecei a investigar sobre isso. A internet foi o único sitio onde consegui arranjar informação sobre os gojis. Pesquisei em blogues, videos do youtube, etc. Parecia ser bastante simples o cultivo e acabei por fazer um blog para divulgar as informações sobre as experiências sobre o cultivo experimental desta espécie, aproveitando também para falar de outras igualmente interessantes.

 
  
 

A minha actividade profissional nada tem haver com frutas nem com produtos naturais, mas sempre gostei das plantas e da natureza em geral. O blogue Bagas de Goji é acima de tudo um diário de um pequeno passatempo. Por um lado é um espaço simples de partilha de informações úteis que está aberto a toda a gente, por outro tem também o objectivo de fazer nascer o interesse de todos sobre as plantas e hortas caseiras. Espero que, nesta altura de crise, o blogue dê ideias a quem o lê e que tenha um efeito "motivador" ao aproveitamento de espaços que muitos de nós temos em casa e que por vezes não são aproveitados.

 

Por último, um agradecimento a toda a gente que comenta e que envia mensagens, em especial á minha querida Ana Santos pela sua disponibilidade em partilhar as suas informações e experiências pessoais. Ela irá continuar certamente a participar no blogue sempre que haja novidades. Para quem quizer também partilhar as suas experiências o blogue continua aberto a toda a gente. Comentários são sempre vem vindos, assim como envio que fotos e informações que se revelarem interessantes poderão ser publicadas, partilhando-as desta forma com toda a gente.

 

Por agora fica um ponto da situação de algumas das plantas cá de casa que temos vindo a acompanhar:

 

Gojis


 

São 6 plantas semeadas há um ano e meio e estão actualmente a produzir bastantes bagas. Amadurecem com rapidez e todos os dias é possivel apanhar um punhado delas bem vermelhas. Por terem esta cor as bagas atraem os pardais ladrões que as devoram. Há que usar todos os meios possiveis de os espantar. Para isso, e neste caso, foram pendurados novamente por fios alguns cd´s velhos que reflectem o sol mas não é um metodo 100% eficaz visto todos os dias aparecerem bagas meias comidas e outras caídas pelo chão. Mas enfim, coitada da passarada, não há muito mais a fazer para os evitar. E até a minha tartaruga aquática gosta de bagas maduras, talvez por serem doces...

 

Há quem diga que só se podem comer cerca de 20 bagas ou 15 gramas por dia. Eu não acredito muito nisso. Tal como outra fruta qualquer, é lógico que não se pode exagerar no seu consumo, sob pena de sentirmos umas "dores de barriga"...

 

 

 
 

 

Feijoa


 

Sobre a feijoa que me foi dada o ano passado não há grandes novidades. Aguentou-se bem durante o inverno e não sofreu nenhum tipo de dano causado por pragas. Tem crescido normalmente, após ter sido mudada para um vaso grande e por agora vai manter-se por lá.

 

Tenho reparado em vários viveiros que esta planta até frutifica com relativa facilidade mesmo em vasos pequenos. Esta é a altura do ano em que elas florescem  e dão os seus frutos de cor verde. É uma planta que também tem usos ornamentais por ter flores vermelhas apelativas. Acontece até, certos viveiros e hortos disponibilizarem para aluguer vasos de feijoa em flor para exposições, festas e outros eventos.

 

Estou curioso por provar o fruto porque nunca tive a oportunidade nem sequer vi á venda em lado nenhum. Talvez para o ano a feijoa dê alguns frutos.

 

 

 

Araçá Vermelho


 

Os araçás, frutos do araçazeiro, são também conhecidos nos Açores como "araçais" onde a planta é conhecida pelo nome de "araçaleiro". Sendo originários da floresta amazónica do Brasil, são bastante comuns nos Açores e na Madeira e parece que se dão bem nas zonas litorais de Portugal continental onde o clima é mais ameno.

Há que ter alguma paciência quando se semeia araçás visto levarem bastante tempo até começarem a germinar. Mas apesar disto, esta parece ser uma forma simples de obter este tipo de plantas.

 

Os araçazeiros cá de casa têm tido um crescimento lento mas parece que é mesmo assim. Esta espécie de araçás dá frutos vermelhos, dizem que são mais doces e saborosos que os araçás amarelos. Por agora vão ser mantidos nos recipientes visto ainda serem pequenos. Quando crescerem mais um pouco serão transplantados para os lugares definitivos. Estas plantas têm folha perene, vamos ver se resistem bem ás geadas do próximo inverno.

O mês da frutificação é mais lá para Outubro. É provável que não dêem frutos nem para o próximo ano.

Em viveiros ou hortos o preço de um vaso de araçazeiro pode custar 6 a 7 euros.

 

 

 

Anona


 

As sementes que foram semeadas são de anonas da Madeira, da espécie Annona cherimola Mill. Na Madeira frutificam no período que vai de Novembro a Janeiro e existem duas variedades, facilmente distinguíveis pela casca; a Anona "cherimola" , a mais apreciada, pois a casca é mais fina, com poucas sementes, polpa dura e doce, comum em terrenos secos; e a Anona "squamosa", que como o próprio nome indica tem uma casca grossa, com muitas escamas, polpa cremosa recheada de sementes, não sendo tão doce como a lisa, mas na mesma deliciosa, é comum em terrenos regadios, ou menos secos.

 

Ainda sobre as sementes, convém que sejam semeadas logo que são retirados dos frutos. Assim foi e todas germinaram, apesar de muitas delas não terem vingado. Logo que começaram a irromper da terra algumas delas ficaram com as folhas presas na casca da própria semente. Passado algum tempo atrofiaram e acabaram por morrer. A causa provável terá sido talvez a pouca profundidade a que foram enterradas. Convém serem enterradas a cerca de 2 cms de profundidade, fazendo com que á medida que a planta germina, a casca que é bastante dura, fique presa na terra e não suba até á superficie.

Mesmo assim houve anonas mais que suficientes, 3 delas nasceram normalmente e estão a crescer lentamente, 2 delas mais desenvolvidas transplantadas para vasos maiores. De entre as várias espécies de anonas existentes no mundo, esta é uma das mais tolerantes ao frio. Dizem que a propagação por sementes não é muito utilizada devido a menor qualidade dos frutos comparando á propagação por enxertia. Mesmo assim vamos esperar para ver.

 

 

 

Granadilha


 

São 3 plantas e têm crescido muito lentamente. Foi feita alguma pesquisa sobre isso, e parece que no verão é normal estas plantas crescerem mais devagar e que até suportam bem o inverno. Gostam de solo rico em matéria orgânica e bastante água. Quando crescerem mais um pouco serão transplantadas e vão precisar de uma ramada tal qual como os maracujás roxos.

Das espécies de temos vindo a falar, esta é talvez a que menor sucesso poderá ter, no que toca a dar frutos. Mas vamos continuar a experimentar e ter esperança.

 

 

 

 

Maracujá Roxo


 

O pé de maracujá roxo está agora com flores e frutos verdes. Quando começarem a ficar roxos é sinal que estão a amadureçer. A cor roxa ou púrpura deve-se á presença de Antocianina na casca. Em Setembro, em principio, já teremos frutos maduros.

 

Os maracujazeiros são plantas bastante produtivas mesmo em Portugal. São de fácil trato, requerem apenas água e algum espaço com suportes para o toturamento das plantas. Por exemplo uma pequena latada ou ramada do tipo daquelas que são usadas nas vinhas pode ser o ideal. Por serem plantas trepadeiras á medida que vão crescendo desenvolvem gavinhas que têm a função de agarrar outros ramos, paus, ou outro objecto que sirva de apoio ao desenvolvimento das plantas.

A cada 2-3 anos convém renovar os maracujazeiros semeando novos.

 

 
publicado por Marco Rebelo às 19:47
link do post | comentar | ver comentários (12) | | | favorito

Terça-feira, 15 de Maio de 2012

A primavera prossegue e os seus efeitos são visíveis por todo o lado. Árvores vestidas com folhagens novas, campos e jardins cheios de flores de todas as cores. 

 

Algumas sementes que foram semeadas no inicio desta primavera começam agora a germinar. Entre elas, as sementes de araçá. No Brasil existem dezenas de variedades diferentes que se distinguem principalmente pela cor dos frutos. As que semeei são de araçá da espécie vermelha ou rosa, é difícil dizer ao certo. As sementes são muito duras e demoraram cerca de 2 meses até germinar. Estas foram retiradas de alguns frutos que me tinham sido dados o ano passado, frutos nascidos cá em Portugal. Também me tinham dado alguns pés que coloquei em vasos mas não conseguiram pegar e acabaram por secar. Talvez por causa do frio que ainda se fazia sentir na altura.

Outra espécie que começa agora a nascer é a granadilha. Foram semeadas algumas sementes, uma delas germinou muito cedo e as outras só agora começam a romper a terra. Esta é uma espécie que não tenho bem a certeza se irá alguma vez dar fruto porque nunca vi nenhuma, não sei se o clima em Portugal será propicio. Mas como diz o ditado: “Experimentar não custa”.

 

 
 
 
publicado por Marco Rebelo às 17:08
link do post | comentar | ver comentários (13) | | | favorito

Sexta-feira, 16 de Março de 2012

[...]

- És tu sol? - gritou a Sementinha com tamanha força que ficou rouca.

- Sou, sim, minha amiguinha! Vem depressa, anda!...

A Sementinha perdeu a cabeça com o entusiasmo de se ver libertada. E subiu mais, num esforço sem olhar a canseiras. Cada vez mais e sempre mais, pensando com alegria: “É agora! É agora, sim, tenho a certeza!”

Mal passou a última porta do palácio onde a Terra-Feiticeira a prendera, a nossa amiga ficou tonta com a luz e as cores do campo. E chorou a alegria enorme de se ver em liberdade. […]

 

Alves Redol

in A Vida Mágica da Sementinha, uma breve história do trigo

 

 
 
 
Granadilha


publicado por Marco Rebelo às 16:22
link do post | comentar | ver comentários (7) | | | favorito

Quarta-feira, 8 de Fevereiro de 2012

Outra espécie interessante é a granadilha. È uma fruta bastante cara que encontramos ás vezes á venda em supermercados, e que pode rondar 13 euros ou mais o kilo mas vale a pena experimentar, é uma fruta com um sabor bastante agradável, parecida ao maracujá mas com menos acidez.

Assim sendo, resolvi comprar umas quantas para provar e como gostei decidi guardar sementes. Vou semeá-las este ano para ver como se portam cá no quintal. Esta vai ser outra das espécies que vamos seguir este ano para tentar saber mais coisas sobre o seu desenvolvimento.

 


Para sabermos um pouco mais sobre esta planta, aqui ficam uma série de informações e fotos. Informações tiradas da wikipédia e da internet.

 

Reino:      Plantae

Divisão:    Magnoliophyta

Classe:     Magnoliopsida

Ordem:     Malpighiales

Família:    Passifloraceae

Género:    Passiflora

Espécie:   P. ligularis

 

Granadilha é uma planta do gênero Passiflora. É nativa das montanhas andinas entre Bolívia, Venezuela e Colômbia. Ela cresce entre o sul e norte da Argentina e norte do México. Fora da sua localização natural ela cresce nas montanhas tropicais da África e Austrália (onde é conhecida simplesmente como maracujá), e agora são comuns em mercados locais da Papua Nova Guiné, onde é conhecida como ‘sugar fruit’.

 

 

Gosta de clima que varia de 15º para 18ºC entre 600 e 1.000 mm de chuva anual. A altitude preferível varia entre 1.700 a 2.600 metros acima do nível do mar. Tem abundantes e simples folhas e flores branca-esverdeadas.

 

As sementes da granadilha são um pouco maiores que as de maracujá

 

A fruta tem tom variante de laranja para amarelo com pequenas marcas claras. Possui forma redonda com uma ponta que termina no tronco. Tem entre 6,5 e 8 cm de comprimento e de 5,1 e 7 cm de diâmetro. A casca externa é dura e escorregadia, e tem estofo macio no interior para proteger as sementes, que são duras e negras, cercadas por uma esfera gelatinosa de polpa transparente. Esta é a parte comestível da fruta e possui sabor suave e doce, além de conter vitaminas A, C e K, fósforo, ferro e cálcio.

 

Os maiores produtores são Peru, Venezuela, Colômbia, Equador, Brasil, África do Sul e Quênia. Os maiores importadores são os Estados Unidos, Canadá, Bélgica, Holanda, Suiça e Espanha. (fonte: Wikipédia)

 

publicado por Marco Rebelo às 17:17
link do post | comentar | ver comentários (14) | | | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
contador de visitas
Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


contacto

últimos comentários
Ola ja e o quarto ou quinto ano que tenho a minha ...
Interessante. Fica a ideia. Obrigado!
Ainda bem que gostas :D
Tenho uma exploração e tenho alguma dificuldade na...
Uma ideia: Orelhinhas de maracujá roxo https://com...

blogs SAPO


Universidade de Aveiro