O blogue sobre divulgação, promoção e cultivo de várias espécies de plantas frutíferas pouco comuns em Portugal.

Segunda-feira, 8 de Setembro de 2014

Eu bem que queria tirar umas fotografias dos gojis deste ano. O problema é que mal começavam a amadureçer eram logo dizimados pelos pardais. Fizesse o que fizesse era impossivel conter os ataques. Nem espantalhos, nem fitas nem cd's pendurados. A única maneira de salvar alguns foi usar um saco de batatas. Vazio. {#emotions_dlg.angry}

  

Alguns gojis sobreviventes.
 
O saco de batatas protegeu alguns ramos do apetite dos pardais.
 
 Estes safaram-se.
 
  Mais vale para o ano cobrir tudo com sacos de batatas
 
Convém deixar amadureçer os gojis ao máximo. Senão são amargos.
tags:
publicado por Marco Rebelo às 19:20
link do post | comentar | ver comentários (7) | | | favorito

Sábado, 24 de Agosto de 2013

Tempo de colheita dos gojis lusitanos cá do quintal. É neste mês que os gojis produzem a maior quantidade de frutos. Apesar disso, ainda se vêem muitas flores nos ramos e em setembro e outubro haverá em principio mais alguns gojis para apanhar.

 

Ataque de pardais

 

Comparando com o ano passado, este ano os gojis produziram uma quantidade um pouco maior. Mas nem tudo correu bem. O ataque dos pardais foi o maior problema. Por razões estranhas, e apesar de terem sido utilizadas várias formas que os manter á distância, uma boa parte dos gojis acabou mesmo por ser comida por estas aves.

Para o próximo ano têm de ser tomadas medidas mais eficazes para tentar evitar melhor este problema. Talvez um tipo qualquer de rede de protecção ou outro tipo de artimanha.

Por agora há que apanhar os gojis restantes. Ultimamente os pardais não têm aparecido muito. Talvez tenham ido de férias para algum lado...{#emotions_dlg.style}

 

A desidratação

 

Ao contrário dos gojis frescos, os gojis secos têm a vantagem de poder ser guardados durante algum tempo sem se estragarem.

Ainda não foi feita uma experiência real de secagem das bagas. O método de secagem das bagas ao sol pode acarretar vários inconvenientes: pode demorar vários dias, levando á oxidação e deterioração das bagas; é um processo que pode implicar contaminação com insectos e poeiras se não forem tomadas certas precauções. O ideal será um processo de secagem que dure no máximo 48 horas para evitar perdas nutricionais.

Creio que o metodo mais eficaz e higiénico será utilizar um aparelho eléctrico normal de desidratação de alimentos.

 

Como utilizar as bagas

 

Depois de estarem bem maduras podemos misturá-las em saladas de fruta, batidos, iogurtes, etc.

 

 
 
 
tags:
publicado por Marco Rebelo às 17:58
link do post | comentar | ver comentários (21) | | | favorito

Segunda-feira, 1 de Julho de 2013

Toda a gente sabe o que são espantalhos. Já os vimos muitas vezes pelas hortas e terras, e fazem parte do nosso imaginário. Bonecos mais ou menos elaborados feitos com roupas velhas de cores garridas, com um corpo cheio com palha ou outro material. Bonecos que tentam imitar pessoas, usados para afugentar os pássaros das culturas.

 

Ataque aos gojis

 

Falando em espantalhos, como se sabe os pardais ladrões são talvez a maior praga dos gojis. Já falamos um pouco sobre isso há algum tempo atrás em: http://gojiberries.blogs.sapo.pt/4821.html.

A primavera trouxe uma grande quantidade de aves jovens, entre elas os pardais ladrões. Costumam atacar tanto a folhagem como os frutos mal estes começam a amadurecer.

 

 Logo que amadurecem os primeiros gojis...
 

...os pardais tentam logo dar cabo deles.

 

Algumas ideias que podem ajudar

 

Vamos simplesmente tentar mantê-los á distância, usando objectos que reflictam luz. Por exemplo alguns cd´s velhos pendurados por fios, ou mesmo pedaços de fita adesiva de aluminio, daquela utilizada na vedação de tubos e condutas metálicas e que podemos colar facilmente nas estacas.

Outra ideia interessante dada pelo amigo Augusto é a utilização de "vira-ventos". Aqueles pequenos moinhos de vento que muitos de nós faziamos na escola com quadrados de cartolina multicolor cortados e dobrados, presos com pioneses a um pau de madeira. As cores vivas e o movimento são capazes de afugentar a passarada. 

Ou porque não fazer um espantalho a sério? É só preciso alguns materiais e alguma imaginação.

 

 
 
Advertência
 
Este blog é para todos os amantes de plantas e da natureza em geral, não só das plantas como também dos animais. Aqui todas as experiências com as plantas são feitas sem recurso a qualquer tipo de violência animal. Pronto... talvez um ou outro pulgão tenha sucumbido, mas mais nada...a sério. {#emotions_dlg.angel}
tags:
publicado por Marco Rebelo às 14:45
link do post | comentar | ver comentários (15) | | | favorito

Sexta-feira, 28 de Junho de 2013

Para quem está interessado em ter em casa uma planta frutifera rara e tem dificuldades em adquiri-la, dou a conheçer que a querida Ana Santos possui um pequeno stock de plantas que pode disponibilizar a preços simbólicos. Entre outras estão por exemplo as physalis, maracujás, tamarilhos, granadilhas, gojis, etc. Mas ela só faz entrega em mão e só em Aveiro.

Ficam algumas fotos e fica também a morada do blog para quem estiver interessado: http://plantasraras.blogs.sapo.pt/

 

publicado por Marco Rebelo às 19:52
link do post | comentar | ver comentários (3) | | | favorito

Domingo, 16 de Junho de 2013

Depois dos maracujás, dos tamarilhos e da feijoa agora são os gojis a dar flores. São flores roxas, amareladas e algumas brancas até.
Os gojis sofreram uma poda ligeira no inverno e de momento retomaram o crescimento normal principalmente em altura. Vamos deixá-los crescer á vontade pois são os ramos novos que que vão produzir os gojis. Alguns deles crescem para cima mas acabam por tombar para baixo com o peso.
Mais tarde será interessante comparar a quantidade de frutos produzidos este ano com os do ano passado. Em princípio produzirá mais este ano. Vamos ver o que acontece.

 

E claro não esquecer que quando os gojis começarem a amadurecer há que ter cuidado com os pardais ladrões. Eles já andam por aí a rondar preparados para atacarem quando menos se espera. Pássaros chatos, sempre em cima dos muros, comem tudo, não cantam, não trabalham, só andam em bando e fazem bostas em cima do carro e em todo o lado. Mas não tenho nada contra eles. Até gosto de os ver pelos quintais. Dos outros.

{#emotions_dlg.sarcastic}

 
 
 
tags:
publicado por Marco Rebelo às 11:52
link do post | comentar | ver comentários (6) | | | favorito

Sábado, 15 de Junho de 2013

Um aspecto que pode ser importante para o bom estado dos gojis é o tipo de rega.

Por exemplo tenho observado que plantas que se encontram em jardins, e que são regadas por sistemas de rega automáticos de aspersão têm tendência a ficarem com aspecto debilitado. A causa pode ser provocada por elevada humidade e pela diferença de temperaturas entre a água e a folhagem dos gojis que fica molhada durante a rega de aspersão e que pode provocar o aparecimento de certos fungos. É difícil determinar com total certeza e é só um palpite baseado em observações.

Pelo sim pelo não, é melhor ter o cuidado de regar os gojis pela manhã ou ao fim da tarde, fora das horas de maior calor, directamente no solo, junto ao pé.

 

tags:
publicado por Marco Rebelo às 19:15
link do post | comentar | ver comentários (8) | | | favorito

Segunda-feira, 18 de Março de 2013

Produção de gojis na Europa


Após uma pequena investigação pela internet dá para perceber que, tanto a procura como a produção de frutos silvestres na Europa tem crescido nestes últimos anos.

No caso dos gojis, a procura por este fruto tem aumentado assim como o apoio ao seu cultivo em vários paises europeus. Por exemplo na Alemanha e Espanha existem já algumas plantações. 

Em 2012 foi construida a maior plantação de gojis da Europa que fica em Espanha e tem 9 hectares com 40.000 plantas. Foi desde esta altura que começaram a ser comercializadas as bagas de goji frescas vendidas em caixas plásticas de 250 gramas, provavelmente as únicas do mundo já que normalmente se vendem secas.

Além disto, está também em fase de estudo e em colaboração com entidades chinesas uma unidade de secagem especifica para secar gojis. Será a primeira do género na Europa. Tem uma capacidade de secagem de 3 toneladas por hora.

 

 Plantação de gojis algures em Espanha
 
 
Nesta plantação situada em Espanha uma coisa curiosa que se destaca á primeira vista é a utilização de manga plástica preta idêntica aquela que é comum utilizar por exemplo nas plantações de morangos. Tal como sucede com os morangos, esta manga plástica pretende evitar o crescimento de ervas daninhas e evitar o contacto das plantas e dos frutos com o solo. No caso dos gojis presumo que poderá prevenir mais tarde o crescimento de ramos laterais e evita que as raizes não se propaguem tanto. Pode também melhorar a retenção de humidade junto ao solo, levando a um menor consumo de água nas regas. Se esta manga plástica terá mais algum fim especifico além dos enunciados tal é dificil de determinar.
 

 

 

 

 

Terreno acabado de cultivar e um plantador com capacidade de 800 plantas por hora
 
Produção de gojis em Portugal
 
Tal como sucede na Europa, em Portugal começa já a haver incentivos e apoios á produção de gojis. Existem várias organizações que prestam apoios financeiros, formação, etc, a quem pretende iniciar o cultivo deste e de outros tipos de frutos silvestres.

Por agora em Portugal julgo não haver agricultores que cultivem esta planta comercialmente. Mas creio que esta é uma boa oportunidade de investir num fruto novo que apenas a Ásia tem capacidade de produzir, pelo menos por agora. Apesar de me parecer que esta espécie se adapte bem ao nosso clima, ainda é desconhecida á maioria das pessoas, por isso mesmo penso que o mercado nacional será algo limitado. Acho que poderá ter algum sucesso para exportação, tal como sucede no caso de outros frutos de baga como os mirtilos, amoras e framboesas por exemplo.


imagens retiradas de: http://goji-beeren.blog.de/
tags:
publicado por Marco Rebelo às 17:11
link do post | comentar | ver comentários (30) | | | favorito

Quinta-feira, 7 de Março de 2013

Caminhamos a passos largos para a primavera e por isso mesmo está na altura de fazer umas sementeiras cá em casa. Além das hortaliças habituais que vão ocupar a maior parte do quintal durante o ano, vamos também semear as nossas já conhecidas plantas "estranhas". Anonas, granadilhas, araçás, gojis, maracujás, tamarilhos, physalis e outras sementes que tais vão ser agora semeadas e o seu desenvolvimento alvo de experiência e atenção novamente este ano. Mãos ao trabalho!

 Bastam alguns vasos, terra e uma pá, além do principal: as sementes.

 

Enche-se os vasos quase até cima com terra. Espalham-se as sementes e em seguida coloca-se uma camada fina de terra por cima. No fim regar e já está! Cada vaso com a sua espécie diferente. Quando crescerem podem ser transplantadas.


Para fazer uma sementeira em vasos, o tipo de substrato pode ser importante. Há espécies de plantas que gostam mais de substratos mais ricos do que outras.

Além do substrato universal também se encontram á venda no comércio outros tipos de terra especiais: terra para orquídeas, terra para cactos, terra para bonsais, etc. Cada tipo de terra proporciona os nutrientes e as condições apropriadas ao desenvolvimento saudável das plantas.


No caso das granadilhas, araçás e tamarilhos pode ser usado um substrato rico em matéria orgânica. A terra de saco universal teve bons resultados na germinação e enraizamento destas espécies no ano passado, por isso este ano vai ser usada novamente. Usar terra de compostagem doméstica também é uma boa opção.

A salientar que as sementes de tamarilho devem ser bem lavadas quando se retiram do fruto. É que têm um tipo de "goma" que pode atrasar a germinação.

Quanto ao caso particular dos gojis, tanto na sementeira como nas estacas, foi usada no ano passado uma mistura de terra de saco universal com terra do quintal. Todas pegaram com facilidade. Mas este ano vamos fazer uma nova experiência: a de usar uma mistura de terra mais pobre em matéria orgânica. Vai ser uma mistura metade por metade de terra normal do quintal com areia branca tipo aquela que se pode encontrar nos pinhais.

Mais tarde iremos comparar se esta última será uma mistura melhor ou não.

 

 Daqui a mais os tomateiros e pimentos estão em condições de transplante para o quintal.

Boas sementeiras!{#emotions_dlg.vila_real}

publicado por Marco Rebelo às 15:17
link do post | comentar | ver comentários (2) | | | favorito

Terça-feira, 15 de Janeiro de 2013

A poda dos gojis 

 

Os gojis cresceram bastante em altura durante o ano que passou. Perderam toda a folhagem durante o outono mas agora, por estranho que pareça, começam já a ser visiveis novos rebentos nos ramos. A primavera ainda tarda e este fenómeno fora do vulgar talvez seja causado pelo tempo mais ameno, já que não tem estado muito frio nem tem caído muita geada, pelo menos por agora.

   

  Apesar de estarmos ainda a meio do inverno os gojis começaram já a rebentar.

 

Antes que as plantas se desenvolvam mais, e para manter o seu crescimento controlado vamos aproveitar para cortar um pouco e reduzir assim alguma altura das mesmas. O ideal seria fazer este trabalho lá mais para Fevereiro mas também já não falta muito e não deve haver problema.

Não sou nenhum especialista em podas de árvores fruteiras e a poda pode ser uma técnica complicada onde é preciso alguma experiência. O nosso objectivo é manter o crescimento das plantas controlado. Cortar aqueles ramos rente ao solo, ramos pequenos, fracos e/ou secos, são operações relativamente simples de realizar. Todos os anos podemos aperfeiçoar esta técnica á medida que as plantas se vão desenvolvendo.

 

  

Visto os gojis ainda não terem troncos grossos e não se segurarem sozinhas aproveitamos para colocar novas estacas laterais unidas entre si com cordéis e depois fixando as plantas com atilhos. Além de evitar que partam com o vento, possibilita mais tarde que penduremos alguns objectos para afugentar a habitual praga de pardais.

 

 

Esperemos que esta operação traga bons resultados e que a próxima colheita seja pelo menos tão boa como foi a do ano passado.

Para acabar, não esquecer que podemos aproveitar alguns bocados de podas mais lenhosos para propagar novas plantas.

  

tags:
publicado por Marco Rebelo às 17:43
link do post | comentar | ver comentários (11) | | | favorito

Sábado, 12 de Janeiro de 2013

O Apfelstrudel significa “folhado de maçã” e é uma sobremesa tradicional austríaca que remonta ao século XVII e que acabou por se tornar bastante popular a nível internacional. Na Alemanha também é muito apreciado, chamando-se neste país de “Strudel”.

Os ingredientes básicos deste doce são a massa folhada, as maçãs e as uvas passas.

Esta é uma receita retirada e adaptada algures da internet, as uvas passas foram substituídas por gojis e adicionadas ainda algumas nozes.

 

Ingredientes:

 

1 rolo de massa folhada refrigerada

2 maçãs (das ácidas se possivel) descascadas e cortadas em cubos pequenos

umas gotas de sumo de limão para regar os pedaços das maçãs

1 colher de chá de canela

4 colheres de sopa de pão ralado

2 colheres de sopa de açucar mascavado

2 colheres de sopa de bagas goji

miolo de noz a gosto

açucar em pó para polvilhar

ovo batido para pincelar

4 colheres de café de margarina

 

Preparação:

 

Ligar o forno a 200ºC. Esticar a massa em cima do tabuleiro de ir ao forno sem retirar o papel  vegetal que a envolve.

Espalhar por cima da massa o pão ralado. Numa taça misturar todos os ingredientes do recheio e colocá-los por cima da massa.

Enrolar a massa como se tratasse de uma torta, pincelar os lados e a parte do fecho com água para ficar bem fechada.

Bater o ovo e pincelar, colocar por cima umas nozes de margarina e levar ao forno bem quente, depois de 15 minutos de forno reduzir o calor para 180ºC.

O tempo total de cozedura é cerca de 35 a 40 minutos, dependendo dos fornos.

Retire do forno e polvilhe com açucar em pó.

Pode ser servido morno ou frio mas a tradição manda que seja servido ainda quente, acompanhado com gelado de baunilha ou chantili.

É uma sugestão de sobremesa para o fim de semana. Mais uma receita testada e aprovada.{#emotions_dlg.drool}

 

 

tags:
publicado por Marco Rebelo às 21:39
link do post | comentar | | | favorito

Segunda-feira, 12 de Novembro de 2012

Uma sugestão de receita que pode incorporar gojis. É uma receita do Chef Chakall que costuma vir no rótulo de embalagens de uma marca de gojis secos. Há muitas variações da salada "Coleslaw". Os ingredientes principais são a couve crua, a maionese e as natas. Apartir daqui podem ser adicionados outros ingredientes. É uma salada que serve como acompanhamento de grelhados e ideal também para juntar ao nosso pão com hambúrguer ou ao nosso cachorro...

{#emotions_dlg.drool}

Ingredientes:

 

20g de Bagas de goji desidratadas

200g de Couve roxa ralada

200g de Couve branca ralada

50g de Cenoura desidratada

1 Chávena de maionese

100ml de Natas

1 Colher de sopa de açúcar

30ml de Vinagre de sidra

pimenta

 

Preparação do molho:

 

Misturar a maionese com o açúcar, vinagre e as natas. Temperar a gosto. Incorporar os restantes ingredientes. Antes de adicionar os gojis, demolhá-los em água durante 10 minutos. Servir como acompanhamento de grelhados.

 

Receita by Chakall

 

Esta sugestão de apresentação tem bom aspecto.
tags:
publicado por Marco Rebelo às 18:14
link do post | comentar | ver comentários (2) | | | favorito

Sábado, 10 de Novembro de 2012

A espécie “lycium chinense” é uma parente muito próxima da “lycium barbarum”. São generos de planta muito idênticos tanto em relação á sua origem como á morfologia das plantas, por isso mesmo muito dificeis de distinguir entre si.

 

Lycium chinense

 

Originária do sul da Europa e da Ásia a “lycium chinense” é cultivada maioritariamente no sul da China onde o clima é mais quente, ao contrário da sua parente próxima a “L. barbarum” que é cultivada no norte onde o clima é mais frio.

Estes dois generos são os mais cultivados por produzirem frutos e folhas usados na alimentação humana ao contrário de outras espécies de “lycium” que são tóxicas. O fruto, as bagas de goji, têm nos dois generos de planta propriedades, tamanho e quantidades de nutrientes equivalentes.

O arbusto desta espécie é um pouco mais pequeno do que o da “l. barbarum”. Floresce de Junho a Agosto, possui flores hermafroditas polinizadas por abelhas. Para facilitar esta tarefa é comum serem colocados cortiços nas proximidades das plantações.

Estas duas espécies têm uma longa tradição tanto na alimentação como na medicina asiática. Os frutos e as folhas são utilizados em guisados, sopas, saladas, chás, etc.

 

 

 

E já chega de falar de mais espécies de “lyciums”.

Como conclusão, deu para ter uma ideia que, tal como acontece com quase todas as plantas que existem na natureza, esta familia de plantas é bastante grande e se encontra adaptada e espalhada por todos os continentes.

 

Fonte: internet, wikipédia

tags:
publicado por Marco Rebelo às 15:09
link do post | comentar | ver comentários (1) | | | favorito

Quarta-feira, 7 de Novembro de 2012

Existem cerca de 20 espécies nativas diferentes de “Lycium” na América do Norte; 30 na América do Sul; 30 em África; 10 na Europa e na Ásia e 1 na Austrália.

Por exemplo a “Lycium europaeum” é originária da Europa.

 

Lycium europaeum

 

É um arbusto originário da região mediterrânica da Europa mas cresce um pouco por todo o mundo. Também conhecido como “espinheiro” ou "espinho de cristo", é uma planta comum em matagais e terrenos ermos e abandonados da região mediterrânica. Por vezes é utilizado como sebe nos limites de terrenos agricolas.

É um arbusto que atinge os 2-3 metros de altura, possui uma estrutura bastante ramificada e espinhosa.

O fruto é uma baga vermelha muito pequena que não é comestivel, ao contrário das folhas dos rebentos novos que são utilizados em saladas em vários paises.

 

 
 

  

 

Fonte: internet, wikipédia

tags:
publicado por Marco Rebelo às 20:27
link do post | comentar | ver comentários (3) | | | favorito

Terça-feira, 6 de Novembro de 2012

Já não há muito a dizer sobre esta espécie (Lycium barbarum). A par com a "Lycium chinense", são as duas únicas espécies cultivadas pela suas qualidades e maior quantidade de frutos.

 

Lycium barbarum


Também conhecida por "Chinese Boxthorn" esta espécie é originária da Ásia nomeadamente da China e encontra-se actualmente espalhada praticamente por todo o mundo. É cultivada maioritariamente no norte da China. A Turquia e a India também a cultivam. Ao contrário do que se diz, esta planta não se cultiva nos Himalaias nem no Tibete.

 

  

Esta espécie destaca-se pelo grande comprimento das suas folhas
 

Pode atingir entre 1 a 3 metros de altura. As flores são de cor rosada e lilás. Esta espécie destaca-se das outras pelo grande comprimento da folha que pode atingir até 7 cms. É normal o aparecimento de alguns espinhos ao longo dos ramos. O fruto, as conhecidas bagas de goji, são de cor laranja e vermelhas quando maduras. Têm formato ovolóide e tamanho de 1-2 cms e cada baga possui no seu interior entre 10 a 60 minúsculas sementes.

Tem uma larga tradição na medicina natural oriental que remonta há vários milhares de anos. Além disso o uso dos frutos, das folhas e das raizes é comum na preparação de chás e infusões e na confecção de pratos culinários em vários paises asiáticos.

 

 

 

Fonte: internet, wikipédia

tags:
publicado por Marco Rebelo às 16:41
link do post | comentar | ver comentários (7) | | | favorito

Segunda-feira, 5 de Novembro de 2012

Os gojis secos que normalmente vemos á venda no comércio são frutos de uma planta pertencente ao genero "Lycium" e que se chama "Lycium Barbarum". Esta espécie é talvez a mais conhecida de todas. Mas além desta, existem ainda mais de 90 espécies do genero "Lycium". Estas são algumas das mais comuns: Lycium barbarum, Lycium chinense, Lycium afrum, Lycium carolinianum, Lycium australe, Lycium horridum, Lycium europaeum, Lycium ferocissimum. Desta última vamos falar um pouco agora. As outras ficam para próximos posts.

 

Lycium ferocissimum

 

Também conhecida por “African boxthorn” esta espécie é nativa da África do Sul. É muito comum também na Austrália e na Nova Zelândia onde já se tornou numa espécie invasiva em certas zonas. Na Austrália existe outra espécie, mas esta nativa, que se chama "Lycium australe".

Este arbusto que pode ser encontrado no estado selvagem em terrenos abandonados, perto de cursos de água e outros sitios ermos. Ofereçe refugio a animais como aves, raposas ou coelhos.

 

Os arbustos são desta espécie ofereçem esconderijo e protecção a animais como pássaros e raposas

 

É um arbusto que pode atingir entre 3-5 metros de altura. Cresce em todos os tipos de solo mas prefere mais os do tipo pobre e árido.

Os ramos têm espinhos afiados, as folhas são pequenas e têm uma forma oval com 1 a 4 centimetros de comprimento. As flores estão presentes praticamente durante o ano todo e podem ser de cor branca e roxa. O fruto é pequeno e redondo por vezes ovoloide, de cor laranja e vermelha, pode atingir 1 centimetro de diâmetro. Tem alcalóides tóxicos e é comido maioritariamente pelos pássaros nativos que constituem a principal causa de propagação da planta, espalhando as sementes nestas zonas.

   
Aspecto das flores e dos frutos

 

Aspecto dos frutos

 

Fonte: internet, wikipédia

tags:
publicado por Marco Rebelo às 21:13
link do post | comentar | | | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
contador de visitas
Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


contacto

últimos comentários
Obrigado!É uma boa ideia e parece ser eficaz.Aqui ...
Marco,Única solução é rede anti-pássaro.Há que já ...
Boa noite!Não precisa de ser podada para dar fruto...
Olá sabe me dizer se a goji precisa de ser podada ...
O ideal é apanhá-los quando estiverem com a "capa"...
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro